O Museu

museu benavente
Edifício do Museu Municipal de Benavente

O Museu Municipal de Benavente denominado Museu Municipal Dr. António Gabriel Ferreira Lourenço foi inaugurado em Julho de 1980, albergando uma vasta coleção de carácter etnográfico reunida ao longo de cerca de 40 anos por Joaquim Parracho. O desenvolvimento deste trabalho de recolha permitiu a criação de uma relação importante e duradoura entre a comunidade e o seu museu, resultando frequentes as doações particulares. Por outro lado, a recolha exaustiva de todos os objetos da vida quotidiana, familiar e de trabalho evitou o seu desaparecimento físico e, consequentemente, o esquecimento da memória coletiva.


Instalado numa antiga casa de habitação, construída no final do século XVIII pelo Capitão Colaço Lobo veio a ser adquirido pelo Dr. António Gabriel Ferreira Lourenço, em meados do século XX. Durante este período foi aqui instalado o Pensionato do Colégio de Benavente, pelo que foram realizadas algumas intervenções com o objetivo de adequar o edifício às suas novas funções. Mais tarde, o Dr. António Gabriel Ferreira Lourenço legou em testamento o edifício, condicionando a sua utilização a museu, vindo a celebrar-se a escritura em 20 de Dezembro de 1976. Apresentando uma tipologia habitacional típica, o edifício desenvolve-se em dois pisos e, originalmente, as dependências anexas como cavalariças e armazéns ocupariam a quase totalidade do quarteirão, agora urbano, onde se insere. De cunhais e bandas em pedra, a fachada é marcada pelo ritmo das sóbrias cantarias, o edifício orienta-se integralmente para a Rua Luís de Camões. O piso térreo desenvolve-se a partir de um átrio de distribuição e no centro do edifício a escada em pedra de acesso ao piso superior. Todo este piso encontra-se muito condicionado, à exceção das amplas salas de exposição pela tipologia de origem desta casa. Nas traseiras, desenvolve-se um pequeno pátio exterior e, invadindo esta área, no início de 1980, foi construído um pequeno pavilhão adossado transversalmente ao edifício. 

O projeto para a criação deste Museu resultou, assim, de um conjunto de fatores que em articulação permitiram reunir uma equipa técnica para a sua coordenação efetiva, um edifício para a instalação da estrutura e uma doação notável, quer na quantidade de materiais, quer no próprio valor patrimonial. 

A partir da década de 80, assistiu-se ao grande impulso da Museologia e dos Museus, em estreita relação com a mudança experimentada no respeito e valorização do Património Histórico por parte da sociedade em geral. O conceito de museu resulta deste processo proporcionando novas tendências nos princípios museológicos, nos programas museográficos e nos serviços que a instituição deve prestar. Este deverá dar resposta às necessidades criadas com a renovada relação Museu – Sociedade proporcionando junto dos diferentes públicos o conhecimento, valorização e salvaguarda dos recursos histórico - patrimoniais no sentido do desenvolvimento das comunidades e identidade locais.


Museu de território e identidade possui coleções relevantes no âmbito da alfaia agrícola, do traje, da cerâmica e dos ofícios tradicionais. A coleção de fotografia constituída por centenas de registos representa um complemento essencial para a compreensão da vivência tradicional promovendo a articulação entre aspetos relativos à cultura material e aos comportamentos. As coleções de alfaias agrícolas e de traje dão expressão às diversas atividades desenvolvidas na região desde o final do século XIX.




museu benavente
Edifício do Núcleo Museológico Agrícola

A criação, em 2000, do Núcleo Museológico Agrícola instalado no antigo Matadouro Municipal permitiu o alargamento do conceito tornando a estrutura polinucleada. Neste núcleo, o programa museológico previu a instalação de uma exposição permanente, “O Calendário Agrícola”, bem como a preservação do edifício como memória do património industrial.

A exposição conduz-nos através do calendário agrícola tradicional, iniciando o percurso nas características da Borda d'Água e seguindo por cada uma das fases de produção, cuja materialização é possível graças ao espólio presente no Museu Municipal.


VISITANTES